понедельник, 2 ноября 2009 г.

A Internet, ou seja, a revolução contemporânea

O século vinte trouxe-nos muitas novidades que revolucionaram a nossa vida, tornaram-na mais fácil mas ao mesmo tempo complicaram-na imenso.
Entre os grandes avanços da humanidade pode-se enumerar o lanço do primeiro satélite, o primeiro homem no espaço e o primeiro passo na lua – tudo primeiro porque antes o espaço cósmico tinha sido uma coisa desconhecida e distante... tão distante que hoje em dia temos a possibilidade de organizar espectáculos espaciais, como organizou, por exemplo, Gui Laliberte, fundador do Cirque du Soleil, em prol da protecção da água – ele dirigiu uma grande maratona por todo o mundo a partir da estação cósmica internacional.
Mas eu queria falar de uma coisa que mesmo agora faz parte da nossa vida e dentro de poucos anos estou certo que não imaginaremos a nossa vida cotidiana sem ela. Claro que é a Internet.
A Internet está omnipresente na vida de bilhões de pessoas, mas poucas são as que são capazes de dizer o que exactamente a define. Algumas pensam que é uma rede mundial de computadores, outras sabem alguma coisa sobre a computação na “nuvem”, mas não sabem ao certo o que é. A Internet já revolucionou a nossa vida porque, por exemplo, nenhum outro meio anterior à Internet exigiu do usuário a entrega de tantas informações para permitir o acesso a uma rede de comunicação. Isso pode ter um lado ruim para a privacidade, mas também abre uma fronteira de integração e de uso racional de recursos sem igual para a humanidade, como por exemplo a criação de uma nova forma de publicidade que é mostrada só para as pessoas que a querem ver. Mágia? Não, são factos da nossa vida. É isso que, no fundo, define a Internet. Essa é a sua grande promessa.
Actualmente, a rede mundial congrega 1,5 bilhão de computadores de todos os tipos e tamanhos, telemóveis celulares e até alguns televisores e frigoríficos. Dentro de dez anos estarão conectados à rede 7 trilhões de computadores, celulares, também aviões, carros, torneiras, interruptores de luz etc – cada objecto terá o seu chipe e estará ligado à rede. Todos os processos de funcionamento destes objectos serão gravados, analizados e dirigidos na “nuvem”. Mas a nova tecnologia faz surgir o medo de perca da privacidade e segurança.
Além da nossa vida cotidiana, do modo de comunicação, de processar dados e trabalhar, a Internet também transformou o nosso cérebro. Alguns cientistas afirmam que o uso das ferramentas digitais altera o funcionamento do cérebro. Para além do mais, o uso da Internet tem resultados positivos para o funcionamento do cérebro. Ao passarem horas em frente ao computador, seja para pesquisar, mandar e-mails ou fazer compras, as pessoas estão expondo o cérebro a uma enxurrada de estimulos. É por isso que o uso da tecnologia digital altera os nossos circuitos cerebrais. O uso da Internet permite-nos fazer mais com o cérebro, gastando menos energia. Mas claro que a tecnologia traz problemas quando usada em excesso. Mas, moderadamente, como afirmam os cientistas, é a nossa grande aliada.
Por todas estas razões podemos chegar a conclusão de que o nosso futuro está estreitamente ligado à Internet. Claro que vamos ter grandes problemas, a nossa vida mudará radicalmente. Mas, em geral, acho que todas as mudanças são boas e cada dia estamos mais perto do mundo com que sonhamos.

6 комментариев:

  1. Caros amigos, é com grande prazer e alegria que constato o aparecimento de um blogue "concorrente". Desejo-vos muitos anos de vida e que sejam mais um canal nos laços entre a língua portuguesa e a Rússia.

    ОтветитьУдалить
  2. Parabéns pelo blog, sou historiador e pesquisador da Rússia há muitos anos, empre que possível passarei por aqui. Se tiverem um tempo visitem o meu blog 'www.ahistoriarevisada.blogspot.com.

    Grande abraço,

    ОтветитьУдалить
  3. Parabéns!
    Já agora, o vosso blogue é de que estudantes? De lusófonos a estudar na Rússia ou de russos que estudam português?

    Desejo-vos boa sorte!

    ОтветитьУдалить
  4. Peço desculpa, não li atentamente o post do JM (blogue criado pelos leitores do Instituto Camões...)
    Fiquei esclarecida!

    ОтветитьУдалить